quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Apagão

Quando a nuvem ultrapreta
toldou o céu em definitivo,
quando a última lâmpada
conformou-se à agonia
e as ocupações — exibicionistas
quase todas — não puderam
prosseguir ou ser vistas,
para onde, para o que nos voltamos?
Não para dentro! que ninguém queria
um escuro ainda mais denso.
Fomos nos agarrando uns aos outros
até formar-se uma assembleia, uma algazarra,
votos incompreensíveis instituindo
o Dia Internacional da Noite.


Do livro O olho itinerante, de Jorge Emil, Editora Record, 2012

Um comentário:

Fala comigo doce como a chuva... disse...

Nós amamos simplesmente tudo o que você escreve. Lindo, inspirador, tocante. Pra vida toda.
Beijos grandes em você e nas suas meninas,
Cy, Lu e Linda.