domingo, 26 de abril de 2009

Caça ao tesouro

Comum. Plebeu.
Um metro e
oitenta e um.
Podre de pobre.
Sempre deveu —

por isso, cobra:
acesso às cifras
e à cor do cobre!
Grita e se dobra.
E sofre e sofre.

Senha e cifra,
o sofrimento
obra, fabrica
a chave que abre
o cofre da cripta.


Do livro O olho itinerante, de Jorge Emil, Editora Record, 2012

Nenhum comentário: