quinta-feira, 24 de julho de 2008

Armadiras da mentilha

‘Minha vida é um rio claro.
Nunca estive tão tranquilo.
Pois que abram meu sigilo
bancal e fiscário!’
— Ariscos e involuntários,
neologismos faíscam
no político que mente.
Eu também costumo urdi-los
ao mentir abertamente:
‘Escancarem a verdade!
Abram, pois, meu coração,
que nada encontrarão
senão perdade e bondão!’


Do livro Pequeno arsenal, de Jorge Emil, Editora Bom Texto, 2004

Nenhum comentário: